Contos de Fadas Leitor Iniciante Para se divertir

A outra história da Chapeuzinho Vermelho

Hoje em dia, existem várias versões da história da Chapeuzinho Vermelho. Assim como dos Três Porquinhos. Parece que as histórias com lobos geram um interesse imenso nas crianças.

Já me deparei com algumas dessas versões e algumas fizeram muito sucesso entre meus alunos.

Entretanto, mais do que à história, fico atenta às ilustrações eleboradas e diferentes.

Dia desses me deparei com essa versão de Jean Claude R. Alphen, que já conhecia pelos belos trabalhos como ilustrador em diversos livros infantis.

Quando comecei a ler, percebi que ele, além de ilustrações marcantes em vermelho e preto (coisa que eu adoro), o autor também tinha idealizado uma Chapeuzinho meio pré-adolescente, quase irônica.


– Que dia mais chato!
– Vá visitar a sua avó, então.
De novo?
– É isso mesmo. De novo.”

Em seguida, assim como na história original, a menina encontra o Lobo, que quer saber o que tem dentro da cesta. Além de todas as guloseimas (nessa cesta tem cogumelos), há um livro. E o Lobo que saber qual é a história. Chapeuzinho então, lê para ele. E adivinha qual é o livro?

Mas o Lobo não fica satisfeito com aquele final, no qual o caçador abre a barriga do animal e de lá retira a Vovozinha:

-Pronto, acabou. Gostou?
– Eu, não! Não mesmo! Nessa história, pelo que eu entendi, nem todo mundo viveu feliz para sempre. (…) E eu tenho cara de lobo que devora vovozinhas inteirinhas?”

O que esse lobo queria mesmo era tomar um chá com a Vovó e preparar panquecas de cogumelos.

A outra história de Chapeuzinho Vermelho
autor e ilustrador: Jean Claude R.Alphen
Editora Salamandra
preço médio: R$ 40,00

Você pode ver outras versões de Chapeuzinho clicando nesse link da Livraria da Travessa. 

Sobre o autor

Isabella Zappa

Isabella Zappa

Pedagoga, psicopedagoga e mestre em Educação pela PUC-Rio. Atua como professora do Ensino Fundamental I e faz atendimento psicopedagógico de crianças com questões de leitura e escrita, usando a literatura infantil como aliada nesse processo.

Deixe um comentário