Diversidade Leitor Iniciante

O livro negro das cores: para explorar sensações

Há tempos vinha querendo fazer a resenha desse livro maravilhoso, mas não o encontrava em lugar nenhum. Me deparei com ele na biblioteca da escola e foi a oportunidade certa.

O título por si só já é pura poesia. Mas O livro negro das cores é bem diferente das obras que estamos acostumados a encontrar nas livrarias.

Todas as páginas são pretas .As ilustrações são pretas e em alto relevo, possibilitando um outro tipo de exploração. O texto é em cinza brilhante e também aparece em braile.

A narrativa é curta e simples. Nela as cores são apresentadas e definidas por Tomás. Ele usa palavras que remetem aos nossos cinco sentidos para que possamos dar vida às cores através de suas descrições. Depois é hora de usar o tato e a visão para explorar as ilustrações.

No final do livro há um alfabeto em braile. Assim é possível conhecer a linguagem dos deficientes visuais e voltar e tentar ler o texto de outra maneira.

“Segundo Tomás, o amarelo tem gostinho de mostarda, 
mas é macio como as penas dos passarinhos.
O vermelho é azedinho como o morango e doce como a melancia, 
mas dói quando aparece no joelho machucado. 
Tomás diz que azul é a cor do céu quando o sol esquenta a cabeça da gente.
O preto é o rei de todas as cores. 
É macio como a seda do cabelo da mamãe quando ela abraça a gente.” 

É uma obra de uma sensibilidade ímpar. Através dela podemos refletir e desenraizar nossos meios de perceber o mundo, passando a enxergar de outras formas.

Sobre o autor

Isabella Zappa

Isabella Zappa

Pedagoga, psicopedagoga e mestre em Educação pela PUC-Rio. Atua como professora do Ensino Fundamental I e faz atendimento psicopedagógico de crianças com questões de leitura e escrita, usando a literatura infantil como aliada nesse processo.

Deixe um comentário