Leitor Autônomo Leitor Iniciante Temas delicados

A menina que odiava livros

 

Leitura e afeto

Todos os anos escuto de diversos pais que seus filhos não gostam de ler, por maior esforço que eles façam. Muitas crianças ainda não descobriram a viagem fantástica que a gente faz quando mergulha em um livro. Não forço a barra nem obrigo a leitura semanal de um livro.

É preciso muito respeito e paciência para formar um leitor. Respeito pela rejeição, pela preguiça, pelo gosto de cada um. Muitas vezes eu escolho para aquele aluno um livro da minha casa.

A dedo e a coração, procuro na minha estante algo que tenha a cara dele. Empresto dizendo que é da minha biblioteca e aí começa uma relação de carinho e afeto, eu escolhi aquele livro só pra ele. Ás vezes, mesmo com as crianças maiores, é preciso ler com e para elas, em seguida dar para livros pequenos para que consigam terminar sozinhas e ter o gosto do desafio vencido. Aos poucos vamos deixando-as experimentar a temperatura na beira da água, se acostumar, para aí sim fazer um mergulho mais profundo.

A menina que odiava livros

Era uma vez uma menina que tinha milhões e milhões de livros. Seus pais liam todos os dias, havia obras na sala, no quarto, em cima da pia do banheiro, nos armários, em todos os cantos da casa. Seus pais vivam comprando livros e mais livros pra ela. Um paraíso, não é? Não para Meena.

Meena detestava livros, não aguentava viver rodeada por eles e, por maior que fosse o esforço dos pais, não lia nenhum. Só havia um ser naquela casa que rejeitava mais os livros do que ela: Max, seu gato.

Um belo dia, na tentativa de salvar o animal, que ficara preso em meio a uma montanha de livros, Meena deixa todos eles caírem fazendo a maior bagunça. Os livros despencavam da pilha, voando pela sala e abrindo as páginas. De repente, a menina percebeu que de dentro deles saíam seres e criaturas diversas. Que confusão! De onde vinha toda aquela gente? Piratas, príncipes, elefantes, uma menina de capuz vermelho, porquinhos, lobos e coelhos de todos os tipos começaram a circular pela sala.

Onde moram as histórias

Meena ficou surpresa, achava que nos livros moravam só as palavras. Os personagens circulavam atrapalhados pela casa e a menina queria mandá-los de volta para onde vieram; mas para isso, precisava descobrir quem pertencia a cada história. Foi aí que Meena começou a abrir os livros e ler cada história, para achar o destino de cada um. Quando chegou no último coelho ela percebeu que ia sentir falta dele, mas se deu conta que era só abrir as páginas do livro para tê-lo de volta em sua companhia. E quando os pais chegaram em casa, encontraram a menina rodeadas de livros, agora com as páginas abertas.

Indicamos para leitores iniciantes e autônomos.

Quem sabe a leitura dessa história não inspira as crianças a mergulharem no mundo dos livros!

Boa leitura e boas conversas!

Compre aqui: 

 

 

Sobre o autor

Isabella Zappa

Isabella Zappa

Olá, eu sou Isabella, autora do Na Corda Bamba! Fiz minha graduação e mestrado em Educação na PUC-Rio e uma pós graduação em Psicopedagogia. Além de escritora e poeta, sou professora de Ensino Fundamental I . Meu grande objetivo é formar leitores e escritores! Por isso, livros, letras e poesia transbordam nas minhas aulas!

Deixe um comentário