Leitor Autônomo Literatura

Na Corda Bamba na Travessa: 50 Brasileiras incríveis para conhecer antes de crescer

Mulheres

 

Meninas vestem Rosa Parks

Joana Dark Jane Goodal

50 tons de Mata Hari

Safo Leila diniz

Tarsila do Amaral

(trecho da marchinha “Tomara que caia”  de Luísa Toller)

 

Você sabe quem foi Antonieta de Barros? E Dandara? Conhece a história de Carolina Maria de Jesus ou Nise da Silveira? Maria Quitéria é nome de rua no Rio de Janeiro, mas você sabe quem foi essa mulher?

Março foi o mês das mulheres, mas não é porque não estamos mais fechando o verão que deixamos de falar sobre elas, ou melhor, sobre nós.

Quantos escritores famosos você conhece? Nomeie assim, de cabeça? Quantos cientistas, diretores de cinema, atletas, políticos. A maioria é do sexo masculino, não é? Até a nossa concordância se volta para o masculino e as crianças vivenciam isso desde cedo.

Meninos brincam de carrinho, meninas de boneca, meninos empunham armas, meninas seguram as panelas. Mesmo que o feminismo tenha avançado muito, ainda há um longo caminho a percorrer.

 

50 heroínas brasileiras

Nossa dica de hoje é pra gente mergulhar no universo feminino do Brasil, descobrindo histórias muitas vezes deixadas de lado.

Antonieta de Barros foi a primeira mulher negra eleita no Brasil. Dandara foi a mulher mais importante do Quilombo dos Palmares, construía instrumentos para agricultura e armas para a defesa de sua gente. Carolina Maria de Jesus foi empregada doméstica, catadora de papel e escrevia em cadernos que encontrava no lixo. Nise da Silveira foi a única mulher formanda em uma turma de 128 médicos. Maria Quitéria se disfarçou de homem e fugiu de casa para lutar como soldado pela independência do Brasil.

Histórias como essas nos enchem de orgulho e transbordam de esperança. Oferecem às meninas um espelho, a certeza de que podem ser o que quiserem e lutar pelo que acreditam. Meninas e meninos precisam de mais expoentes femininos. Elas existem, a gente é que não conhece.

Histórias fabulosas

A jornalista Débora Thomé fez uma pesquisa incrível para selecionar histórias de Marias, Eufrásias, Anitas, Tarsilas e muitas outras. Um time de 17 ilustradoras se juntou à Débora e retratou, com técnicas e traços diferentes, cada uma dessas super mulheres.  E vejam só, o livro foi finalista do Prêmio Jabuti de 2018! 

No final do livro há algumas folhas com espaço para o leitor escrever e desenhar as suas mulheres incríveis que podem ser suas mães, avós, professoras ou alguém que eles admirem.

O texto é do tamanho dos leitores autônomos, mas você pode ler com as crianças menores, destrinchar as histórias e tentar relacionar a vida dessa mulheres com a realidade dos pequenos. Essas pequenas biografias podem ser lidas em conta gotas, uma por dia, na hora de dormir ou ao acordar. Vai ser um baita aprendizado, pra todo mundo!

Histórias como essas são essenciais para construção da autoestima e do empoderamento feminino, para que no futuro não precisemos mais escrever livros como esses. As mulheres estarão em pé de igualdade, como grandes notáveis.

                                                               Boa leitura e boas conversas!

 

 

 

Sobre o autor

Isabella Zappa

Isabella Zappa

Olá, eu sou Isabella, autora do Na Corda Bamba! Fiz minha graduação e mestrado em Educação na PUC-Rio e uma pós graduação em Psicopedagogia. Além de escritora e poeta, sou professora de Ensino Fundamental I . Meu grande objetivo é formar leitores e escritores! Por isso, livros, letras e poesia transbordam nas minhas aulas!

Deixe um comentário