Diversidade Leitor Autônomo Leitor Iniciante Temas delicados

As mulheres Abayomi

Meninas e mulheres

Meninas podem ser o que elas quiserem. A frase é clichê, mas sua repetição ainda é muito necessária. 

Essa obra de Adilson Passos traz força, coragem e esperança para meninas e mulheres.

Abayomi significa “encontro feliz” e era o nome de um povo africano. As mulheres desse povo (que habitava Nigéria, Benin, Togo e Costa do Marfim) produziam bonecas negras com tecidos retirados das próprias roupas. Não utilizavam linhas ou agulhas, somente nós dados no pano. As bonecas eram dadas às crianças recém-nascidas.

A divisão de tarefas era muito clara nas comunidades: homens caçavam, protegiam e decidiam; mulheres cuidavam da casa, da comida e das crianças. 

Divisão de tarefas

As mulheres Abayomis estavam insatisfeitas com essa divisão e queriam mais liberdade. Os homens não gostaram, queriam continuar determinando o que elas poderiam e deveriam fazer. 

Certo dia, veio a guerra e com ela. As mulheres tinham gana de lutar, os homens… bom, você já imagina que os homens queriam deixar tudo como estava. 

Mas a força, a coragem, a sabedoria e a determinação das Mulheres Abayomis decidiram o rumo daqueles dias e daquele povo.

Um livro pra encher os olhos e o coração, pra começar o dia acreditando, pra crer no poder de transformação das mulheres, negras e brancas, na força de um povo, pra ter a certeza de que nós, mulheres, tomaremos nossas decisões, faremos nossas escolhas e seguraremos as rédeas das nossas vidas e dos nossos destinos. 

Edição lindíssima da Solisluna para ser lida e relida por meninos e meninas de geração em geração. 

Lugar de mulher é onde ela quiser. 

Boa leitura e boas conversas!

Compre aqui

 

 

 

Sobre o autor

Isabella Zappa

Isabella Zappa

Olá, eu sou Bella, criadora do Na Corda Bamba! Sou pedagoga, psicopedagoga e mestre em Educação. Atualmente trabalho como professora de Ensino Fundamental I aqui no Rio de Janeiro.
Sou uma viajante literária e geográfica, adoro comida italiana, cheiro de mato e o canto dos passarinhos.

Deixe um comentário