Animais Diversidade Leitor Autônomo Leitor Experiente Leitor Iniciante Livro ilustrado Política Primeiras Leituras Temas delicados

Os livros da Editora Boitatá

Editora Boitatá

Recebo várias perguntas sobre as editoras: quais delas eu indico, quais produzem obras de qualidade. A verdade é que, no geral, quem compra livro acaba não prestando muita atenção às editoras.

Outro ponto é que as editoras pequenas acabam sendo engolidas pelas grandes e suas obras ficam escondidas nas prateleiras ou perdidas na imensidão de ofertas.

Na literatura infantil, aquela que nos interessa por aqui, tem muita gente fazendo um trabalho bacana, a Boitatá, selo infantil da Boitempo Editorial, é um bom exemplo.

Literatura pra refletir

O catálogo é composto de livros que abordam questões importantes como os direitos humanos, dos animais, política, diversidade, dentre outros.  Tudo com uma linguagem adequada aos pequenos leitores sem cair para a infantilização.

Está claro que a editora considera e respeita as crianças como seres pensantes e agentes de transformação. É nisso que a gente acredita também, por isso, alguns livros da Boitatá já passaram por aqui.

Trouxemos as resenhas antigas e outras obras da Boitatá pra vocês conhecerem, se antenarem e procurarem nas livrarias. Tem livro para todas as idades e tipos de leitor.

  1. Os três irmãos de ouro – Olga de Dios

    o livro reconta a clássica história da galinha dos ovos de ouro, mas vai além: a autora relata pra gente o que aconteceu com cada ovo de ouro vendido pelo fazendeiro. Cada um nasceu em um contexto e viveu uma realidade diferente, por isso tiveram vidas diversas. Um precisa fugir de um desastre climático, o outro se transforma e um artista renomado, mas sem conteúdo e o terceiro é riquíssimo, mas sem saúde.

    Algo acontece e os três irmãos precisam se reunir para se salvar. Uma história pra gente parar e pensar nas nossas escolhas. As ilustrações são todas em preto e dourado, realçando os filhotes de ouro e mostrando tudo que há ao seu redor.

    Indicado para os leitores autônomos.

  2. Minha dança tem história – Bell Hooks

    Esse é o segundo livro infantil da ativista social, escritora educadora publicado pela Boitatá. Se em “meu crespo é de rainha” ela abordou a questão da meninas negras e seus cabelos;  nessa obra, os protagonistas são os meninos, suas danças e seus raps.

    Os bibóis, como são chamados, fazem batalhas de breaks e rimas, dançam, pulam e, assim como eles, o livro de Bell ilustrado por Chris Raschka é cheio de cor e movimento. As palavras rodopiam na nossa língua enquanto o menino não para quieto entre as páginas.

    “Bibói bomba (…) Bibói do barulho, pronto pra quebrar, pra brilhar e brincar. Bibói bom de batida.””

    Indicado para as primeiras leituras.

  3. Meu crespo é de rainha

    A obra infantil de Bell Hooks, ilustrada por Chris Raschka aborda de maneira lúdica, alegre e elogioso o cabelo crespo por tantas vezes difamado.

    Com diferentes representações de meninas e penteados no cabelo, a gente consegue sentir de fora a maciez, o perfume e o movimento dos cachos crespos.

    Clique aqui para ler a resenha completa

  4. O Rio dos Jacarés – Gustavo Roldán

    Um jacaré tirava sua soneca no rio, seu habitat, sua casa. Um belo dia aparece um homem engravatado munido de um papel assinado, dizendo que aquele rio agora era dele, que o havia comprado. O Jacaré fica muito mal humorado ao saber que estava sendo desalojado. E por aí vai uma discussão pra lá de burocrática e bem humorada que nos diverte e faz pensar. No final da obra, o autor propõe algumas questões para serem conversadas durante a mediação da obra: você concorda com o homem de terno laranja ou com o jacaré, por quê?

    Indicado para os leitores iniciantes e autônomos.

  5. Mundo cruel: filosofia visual para crianças – Ellen Duthie e Daniela Martagón

    Esse é o único da lista que não é livro, mas propõe tantas reflexões quanto uma obra literária. Mundo Cruel é um conjunto de cartas desenhadas: de um lado, o desenho de uma cena de crueldade e uma legenda em forma de fala. Do outro, perguntas que estimulam nosso pensamento e posicionamento acerca daquela imagem. O que você acha que está acontecendo? A cena é cruel? Como vocês e sente ao ver essa cena? Essas são algumas das reflexões propostas por essas cartas que podem se trabalhadas em família, consultório, sala de aula, individual ou coletivamente.

    Indicado para os leitores autônomos e experientes.

  6. O urso que não era

    Chegou o inverno e o urso encontrou uma caverna para passar essa estação gelada bem quietinho. Quando acordou, se deparou com uma floresta completamente diferente. Não havia mais árvores e sim uma enorme fábrica.

    O urso, ainda sonolento, andou pelos corredores, entre máquinas, homens e muita fumaça; mas não ficou em paz por muito tempo. O chefe imediatamente o mandou voltar ao trabalho. Mas como? Eu não sou trabalhador, eu só um urso.

           Clique aqui para ler a resenha completa 

  7. Pinóquio: o livro das pequenas verdades

    Nessa obra, Rampazo coloca Pinóquio em frente ao espelho. Em um embate consigo mesmo o menino vê apenas um boneco de maneira. Mas e se ele fosse generosos como Gepeto, astuto como o gato ou inteligente como o Grilo Falante? Ah, aí ele não seria mais somente um boneco de madeira. Ele seria diferente.

    As poucas e expressivas páginas dessa releitura transbordam o essencial dessa obra, a busca, o desejo, os sentimentos de estranheza e solidão.

         Clique aqui para ler a resenha completa 

8. Coleção da Equipo Plantel

O que foi a ditadura? Como entender o que é a democracia? O que são classes sociais e quais são as diferenças entre homens e mulheres na sociedade? Entre 1977 e 1978 um grupo de escritores espanhóis desenhou essa coleção incrivel que, apesar de ter mais de 40 anos, permanece bastante atual. Ainda é preciso conversar sobre esses assuntos (talvez agora mais do que nunca) e ajudar as crianças a compreender tudo isso de forma mais concreta e plausível.

Leia a resenha completa 

Boa leitura e boas conversas!

Sobre o autor

Isabella Zappa

Isabella Zappa

Olá, eu sou Bella, criadora do Na Corda Bamba! Sou pedagoga, psicopedagoga e mestre em Educação. Atualmente trabalho como professora de Ensino Fundamental I aqui no Rio de Janeiro.
Sou uma viajante literária e geográfica, adoro comida italiana, cheiro de mato e o canto dos passarinhos.

Deixe um comentário